Dialética e Fenomenologia

Hoje há um movimento de pensamento provável na pragmática, notável pelo estudioso, pelo curioso e/ou pelo observador em grande escala astronômica que se encontra no limiar da dialética e da fenomenologia considerando ambas como sendo processos [1] epistemológicos.

A teoria dialética da sociedade compreende a hermenêutica. Constitui-se na interpretação do sentido. Mas, na dialética o sentido está ainda predominantemente articulado ao processo do conteúdo, considerando que o conteúdo está no plano mental, nota-se que ainda tem sua margem limite na racionalidade.

Verifica-se nesta apresentação as duas categorias dialéticas: (Schoutheete et alli, 1988; p. 66)
[2]:

1. Consciência individual de situação da ação.
2. Espírito objetivo de um meio social articula sentido da inserção da interpretação sociológica.

Porém, todavia, a dialética enquanto metodologia Stricto Sensu, é um exercício epistemológico que “procura destacar os traços comuns, ou, ao contrário, diferenciados de um caso para outro, de todas as abordagens cientificas que visam prestar contas sos desenvolvimentos que se desenrolam no tempo” (Schoutheete et alli, 1988, p.68).

Para explicitar mais ainda o argumento do segundo parágrafo, leia a citação a seguir: “É a consciência da forma, do movimento interno do conteúdo. E é ‘o próprio conteúdo’ o movimento dialético que ele tem nele que o impele para adiante".